segunda-feira, 18 de julho de 2011

Sonhos...

De que são feitos os sonhos?
Quando criança, eu sonhava em voar.
Bombeiro, astronauta, rock star?
Isso tudo era complemento.
Ao bem da verdade, só sonhava em sonhar!
Brincava, pulava e tudo acontecia
No intervalo entre o acordar e o dormir
Eu existia
De noite, na cama, com medo do escuro
Só queria dormir para que, nos sonhos,
Eu voltasse a me divertir
Pensava em ser gente grande
Para que ninguém me dissesse o que NÃO fazer
Essa era a liberdade que eu buscava
E logo cresci
Quem haveria de dizer o que eu faria?
Ninguém mais me limitava
E então, perdido em meus sonhos,
Me cerquei
Fui livre
E tão livre que me limitei
Demarquei meus extremos até onde
Meus olhos programados reconheciam
E nestes campos em que me via seguro
Fiz minha morada
Onde havia estrada, ergui muro
Onde havia luz, tornei escuro
Onde havia saída, determinei como “O NADA”
Espalhei placas e avisos, só por garantia
Certificando que ninguém, além de mim
Me controlaria
Hoje vivo tranquilo, em meu mundo particular
Onde posso dormir em tempo integral
Descansar, sem temer o mal
E me permitir dedicação total
Ao sonhar.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

kiss - God Gave Rock 'N Roll To You II



Dia mundial do Rock, e que Deus nos dê sempre o melhor do bom e velho Rock and Roll...

God gave Rock and Roll to you II

God gave rock and roll to you, gave rock and roll to you
Put it in the soul of everyone
Do you know what you want? You don't know for sure
You don't feel right, you can't find a cure
And you're gettin' less than what you're lookin' for

You don't have money or a fancy car
And you're tired of wishin' on a falling star
You gotta put your faith in a loud guitar

Chorus:
God gave rock and roll to you, gave rock and roll to you
Gave rock and roll to everyone (oh yeah)
God gave rock and roll to you, gave rock and roll to you
Put it in the soul of everyone

"Now listen"
If you wanna be a singer, or play guitar
Man, you gotta sweat or you won't get far
Cause it's never too late to work nine-to-five

You can take a stand, or you can compromise
You can work real hard or just fantasize
But you don't start livin' till you realize - "I gotta tell ya!"

God gave rock and roll to you, gave rock and roll to you
Gave rock and roll to everyone
God gave rock and roll to you, gave rock and roll to you
Put it in the soul

(Instrumental break)

God gave rock and roll to you (to everyone he gave the song to be sung)
Gave rock and roll to you, gave rock and roll to everyone

God gave rock and roll to you (to everyone he gave the song to be sung)
Gave rock and roll to you, saved rock and roll for everyone
Saved rock and roll

chorus repeats out...

"I know life sometimes can get tough!
And I know life sometimes can be a drag!
But people, we have been given a gift,
We have been given a road
And that road's name is... Rock and Roll!"

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Quanto a nós...

Quanto a nós, depois do fim,
A tardia constatação
De sermos apenas “mais um casal”
Nada de mais, nada de mal.
E todo o amor que percebíamos
Não era, em nada, especial.
Quanto a nós, neste momento,
Esse vazio no coração,
E a cabeça a fervilhar
Sem encontrar o esquecimento,
No desejo único de justificar
Toda a promessa, da vontade,
De um motivo para amar.
Cheios de sonhos, repletos de pecados,
Dois corpos condenados a almas inocentes,
Mas não há brisa que, ao soprar,
Refresque o calor produzido.
Quanto a nós, choro e adeus.
Quanto a você, libertação.
Quanto a mim, entorpecimento...
Podíamos pouco, tentamos o topo,
E a frustração foi o estandarte.
Lembrados como desistentes!
A gente se encontra outra vez.
Enquanto não o cume, não compensa.
Quanto a nós, paciência!

domingo, 26 de junho de 2011

Eu fiquei...

Observei a evolução
De tudo ao meu redor.
Simplesmente estacionei, a tentar
Expandir-me para outra dimensão.
Nada se moveu.
Um câncer cresceu, dominou
Todo o organismo.
Uma célula imune e inerte
Não apodrece, porém perece.
Eu fiquei!
O oceano está em tantos lugares
Sem sair do lugar.
Toma para si as terras.
Domina, invade.
É seu próprio senhor.
Não sou assim, ninguém consegue ser.
E agora pago por não me vender.

terça-feira, 21 de junho de 2011

RAUL SEIXAS - HOW COULD I KNOW - LEGENDADO



Até onde compensa seguir?
Será que ser mártir resolve?
Jesus Cristo tentou, e justificou toda uma sucessão ainda mais infeliz do que o que existia antes...
Che Guevara tentou, e hoje figura em camisetas capitalistas...
Muitos outros tentaram, e a história mostra os resultados!
De qualquer maneira, como ser diferente disso, e ignorar tanta coisa errada? Como aceitar um jogo injusto e desregrado? Como encher a boca de comida para simplesmente se calar, enquanto muitos não tem o que comer e, por isso mesmo, nem conseguem pensar?
Enfim...

terça-feira, 24 de maio de 2011

Agora chore...

Há uma Lua cheia estampada no céu
Há um mundo novo esperando por nós
Existe muito mais do que
Esta vidinha pela qual você optou
Quando as luzes se apagam, todos vão dormir,
Mas você se esforça para não chorar.
Seu corpo queima de saudades minhas
Talvez o pranto possa apagar sua chama.
Agora chore,
Sua chance passou, eu segui adiante
Agora chore,
Chore escondida, já estou distante
Você sai por aí atrás de diversão,
Conhece pessoas que a fazem rir,
Mas só encontra, na verdade, pessoas vazias
Isso é reflexo das escolhas que fez
Quando algum garoto com quem se encontrar
Fizê-la sentir saudades do que sou
Volte para casa e se tranque em seu quarto.
Igual a mim não existe ninguém!
Então chore,
Sua chance passou, eu segui adiante.
Agora chore.
Chore escondida, já estou distante.
Agora chore.
Beleza se acaba, conteúdo persiste.
Então chore,
Chore, acaba-se triste.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Pink Floyd - Summer '68

Hoje estou me sentindo como alguém que ganhou na loteria, mas não sabe onde está o bilhete...
Maldito bilhete premiado!
Maldito inferno Astral!!!





Would you like to say something before you leave
Perhaps you'd care to state exactly how you feel
We said good-bye before we said hello
I hardly even like you, I shouldn't care at all
We met just six hours ago, the music was too loud
From your bed I gained a day and lost a bloody year
And I would like to know
How do you feel, how do you feel, how do you feel?

Not a single word was said, delights still without fears
Occasionally you showed a smile but what was the need
I felt the cold far too soon - the wind of '95
My friends are lying in the sun, I wish that I was there
Tomorrow brings another town and another girl like you
Have you time before you leave to greet another man
Just you let me know
How do you feel, how do you feel, how do you feel?

Good-bye to you
Charlotte Kringles too
I've had enough for one day

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Dorme...

Dorme Anjo, cochila.
Inocente seu semblante
Impecável sua tez
Sua cútis irretocável
A mim, vigilante
Resta a observância,
Resguardo e vigília
Para que não se precipitem
Por sobre figura tão linda,
Divinamente graciosa,
Boçais, medíocres,
Estúpidos inferiores
Ávidos por devorar a novidade
Por ingerir, deglutir,
Absorvendo assim a beleza da carne
Dorme Anjo
Dormita e encanta sem saber
Sem perceber a mágica que emana
Dorme seu sono de paz
Enquanto sonho seus sonhos de amor!

terça-feira, 26 de abril de 2011

Moda...

Algo que não entendo é de moda.
Eu passo por lojas e, de repente, vejo um jeans tradicional. Número certo, valor cabível, mando embrulhar. Dois dias depois o visto, junto a uma camiseta surrada e a um tênis velho. Saio às ruas e pessoas me olham. Sinto que algumas julgam por me faltar estilo.
Estilo?
Milhares de idéias, problemas, insatisfações, inquietações e anseios que carrego na alma e vou me importar com estilo? Com moda?
Vejo na capa de uma revista alguma matéria interessante sobre homens que fazem a diferença no planeta. A revista é grossa, demonstra muito conteúdo. Compro-a.
E qual não é a minha surpresa ao averiguar que, matéria, praticamente inexiste?
O que vejo no interior são páginas e mais páginas tratando de moda!
Deixo de lado a tal revista, que deveria ser apresentada por “catálogo”, e vou me informar, ler um jornal.
Incrível. As notícias, por sinal, tendenciosas, todas recortadas para ceder espaço à moda.
Constatação importante: vivo num país miserável que se pauta em assuntos elitistas.
O pior é que os miseráveis são os que pagam, bem como absorvem, as propagandas daquilo que não podem e que, de qualquer maneira, se pudessem, consumir, não sofreriam nenhum acréscimo pessoal.
Alguém, por favor, me responda:
- Que substância moral, espiritual ou mesmo intelectual eu somaria, ao vestir uma etiqueta da moda?
Pessoas morrendo de fome, matando por fome, guerras nos quatro cantos, usurpações, preconceitos, segregação, nações dizimando, nações dizimadas... É foda! E tudo isso acontece pelo desejo de, e do, poder, pela disseminação da ideologia do capital. A idéia do acúmulo, tão desenvolvida e funcional que é aceita sem questionamentos e, mais do que isso, adsorvida sem que seja percebida, por meio de músicas, novelas e filmes Hollywoodianos, financiada pelo produto do trabalho dos mesmos miseráveis que se esfolam, na esperança catolicamente ilusória de consumir MODA!
E então alguém me diz: - Sua camisa listrada saiu de moda.
Qual foi a parte do contrato que eu deixei de ler? Porque, honestamente, não me recordo de ter assumido o compromisso de me sacrificar vitaliciamente, iludido por sonhos monárquicos, sendo meu sacrifício útil unicamente para que tais sonhos sejam concretizados nas vidas dos verdadeiros monarcas, hereditários e vitalícios.
Agora chega, desisto. Vou ler a tal revista para tentar entender as novas tendências.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Neo escravismo...

Excluíram-se as correias, substituídas pela noção de liberdade
Em vez de obrigação, o ideal de responsabilidade
Aumentou o descanso, igualmente foi aumentada a pré-determinação
As senzalas foram fracionadas sob a alcunha de lar
E hoje são trancafiadas por dentro
Já as casas grandes, essas foram infladas, mas ainda abrigam “sinhás”,
Bem como ainda encobrem injusto enriquecimento
O capitão-do-mato não mais precisa ir à caça,
Sendo hoje procurado pelos escravizados no engenho automatizado
Do níquel dos grilhões derretidos forjaram-se moedas reluzentes
E o chicote desfez-se em ilusão,
Sendo pulverizado em sonhos de cifrão e materializado em ponteiros
Que açoitam e fazem pingar, de lombos e testas fustigados,
O produto da exaustão.
Agora temos acesso a remédios: álcool, cigarros, músicas populares,
Programas dominicais de televisão
Não somos mais deixados a sorte, reunidos em filas de INSS’s e PS’s
Temos a democracia, universalizando a escravidão
A comida ainda é racionada
Tendo por principio, para se matar a fome, o mérito pessoal
E os negreiros fazem rotas mais curtas
Atravessando bairros em percursos circulares
Com sues porões abarrotados, e invariavelmente, e desde sempre,
Bancados pelos negros acorrentados.

terça-feira, 12 de abril de 2011

A consciência superior sabe e me contou...

Acredite
Ela me disse
Que suavemente
Você se deixou carregar
Sei, sei, sei, vai doer
Vou sobreviver
Mesmo sozinho, sem você
Sei, sei, sei, vou sofrer
Vou me arrepender
A consciência superior
Sabe e me contou, acredite
Não se arrependa
Seu lugar não mais existe
Você se deixou levar
Prometo não deixar
Meu sentimento atrapalhar
Acredite
A consciência superior
Contou-me
Suavemente você se deixou levar
Não nos merece
Pois se deixou carregar
Prometo não deixar
O sofrimento me acabar
Sei, sei, sei, que você
Deixou-se carregar
Tudo sempre vai
Desaguar n’algum lugar
Sei, sei, sei, vou sofrer
Mas não vou morrer
A consciência superior
Sabe, e me contou

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Apague as luzes...

A música alimentava
E fomos ritmo, batida.
A música embalava
E dançamos com a vida.

Vezes, alucinados, vezes, descompassados,
Ainda outras, na calmaria
Mas a musica, quem diria, findou
O silencio instaurou-se.

Profetizou o poeta:
“...quando a musica acabar,
o último a sair que apague as luzes...”

Gitano soy

Andanças...
O mundo tem tanto a oferecer:
Uma paisagem, uma pastagem, um riacho,
Matas vastas onde se perder.
Natureza imaculada.
Nômade, este sou eu.
Uma paragem.
Minha tenda, o manto celeste.
Cigano estarrecido
Com a plenitude d’um céu estrelado,
Ao estancar, perde a identidade.
Estrelas só valem por uma noite.
Andanças, este sou eu...
O mundo tem tanto mais a oferecer!

segunda-feira, 14 de março de 2011

Nada vai doer...

Meus olhos cansaram-se, mas ainda vejo luz
Está logo aí e não desistirei até me iluminar
Enquanto houver esperança serei a mesma criança
Que se levanta a cada nova queda
Aprenda, a cada queda
Erga-se e vá
É fácil esperar a ferida cicatrizar
Alegre-se e nada vai doer.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Estar apaixonado...

E agora? Outra noite passou.
Mais uma noite que sofri por não vê-la.
Muito frio, chuva incessante.
Todo meu pequeno mundo para ter, outra vez, seu calor.
Por que tão seca e indiferente?
Por que tão bobo e apaixonado?
Será coisa de poeta amar quem não corresponde?
Buscar quem tanto se esconde.
Rasgar o peito, arder, sem retribuição,
Tudo por um pouco mais de lenha
Para a chama do sofrimento.
Combustível, inspiração?
Sentimentos são confusões.
Milhares de sensações que se misturam
Fazendo lembrar que o coração pulsa,
O sangue corre e o ventre se retrai.
Estar apaixonado me confunde.
Estar apaixonado me inspira.
Estar apaixonado maltrata, mas me atrai.
Você faz com que eu me lembre: ESTOU VIVO!
Tão bem me faz.
Estar apaixonado me confunde.
Me inspira, maltrata, mas me atrai.
Sentimentos são confusões
E você, bem poderia ser solução
Lembrando-me de que estou vivo.
Por que tão confusa?
Estar apaixonado me confunde...

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Sentindo o Oceano...

Sentindo o Oceano me deixo levar
Acompanho as ondas para qualquer lugar
Meu corpo queimando, em ebulição
Mergulho bem fundo, até quase afogar
Não sou mais o mesmo, nunca mais serei
Depois da amargura que me fez passar
Sentindo o Oceano, sinta meu pesar
Para você foi pouco me pisotear
Sentindo o Oceano, sinta meu aroma
Meu cheiro de morte
É maresia, estado de coma
Sentindo o Oceano sinta minha dor
É areia salgada, é água gelada
É falta de amor.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Tudo acaba onde começou...

...começou do pó nosso pequeno mundo
Partiu de um buraquinho o abismo mais profundo
Aquele meteoro era só uma estrela
Hoje destrói tudo, um dia foi tão bela
Criaram a tal pólvora para fogos de artifício
Mas hoje é utilizada para ativar um míssil
Foi feita com inocência, para nos dar diversão
E hoje, indecência, só traz destruição
O mundo dá suas voltas e volta ao mesmo lugar
O que fizer aqui, aqui mesmo vai pagar
A saga de uma família: Cem anos de solidão
A vida de Frankstein: criado em um porão.
O mundo dá suas voltas, você pisca e ele já voltou
Acabaremos em pó, pois tudo acaba onde...
...começou do pó nosso pequeno mundo
Partiu de um buraquinho o abismo mais profundo
Aquele meteoro era só uma estrela
Hoje destrói tudo, um dia foi tão bela
Criaram a tal pólvora para fogos de artifício
Mas hoje é utilizada para ativar míssil
Foi feita com inocência, para nos dar diversão
E hoje, indecência, nos traz destruição
O mundo dá suas voltas e volta ao mesmo lugar
O que fizer aqui, aqui mesmo vai pagar
A saga de uma família: Cem anos de solidão
A vida de Frankstein: criado em um porão.
O mundo dá suas voltas, você pisca e ele já voltou
Acabaremos em pó, pois tudo acaba onde...